HOME  /   BLOG

As coisas mudaram…

É só olhar em volta pra perceber que as coisas não são mais como eram antigamente. O modelo de sucesso para os meus avós, e para os seus também, era uma família estruturada, um bom casamento antes dos 30 anos, ter mais de dois filhos bem criados, ter sempre uma boa comida caseira na mesa, lençóis e toalhas limpas, e vestir-se de forma elegante mesmo dentro de casa.

As pessoas se ajudavam profissionalmente, não havia tanta guerra de egos e tantas metas inatingíveis. E o pensamento era mais em mostrar caráter do que ganhar dinheiro. Pessoa bem sucedida era aquela que tinha uma família que deu certo.

E assim nossos avós criaram os nossos pais: esperando que eles conquistassem esse padrão de sucesso, que formassem uma família sólida e que fossem felizes. Mas deu errado. Nossos pais são a geração do divórcio e das famílias reconstruídas. O modelo de sucesso esperado pelos nossos avós não deu certo e todo mundo ficou frustrado.

Nossos pais encontraram outro modelo de sucesso: a carreira. Trabalharam duro, lutaram para fazer uma faculdade, estudaram bastante, abriram negócios, prestaram vários concurso. Fizeram o melhor que puderam para nos criar bem. Consideram-se mais ou menos bem sucedidos por isso. Eles têm uma carreira sólida, casa própria, casa na praia, algum dinheiro guardado e reconhecimento na área profissional. Para eles, pessoa bem sucedida é aquela que deu certo na carreira.

E assim fomos criados, com muita facilidade para termos cedo uma formação e uma profissão de sucesso. Ensinaram-nos a estudar, poupar, planejar e investir. Disseram-nos direitinho o que fazer. Então nós estudamos em colégios particulares, passamos no vestibular, e estamos lutando para ter um diferencial no mercado em meio a tantos profissionais tão capacitados como nós. Não pensamos mais que formar uma família seja prioridade, talvez nem tenhamos filhos. Não sabemos se ficaremos no emprego, ou se nosso negócio dará certo. Não temos certeza de mais nada e então encontramos outro modelo de sucesso: ser feliz.  Agora pessoa bem sucedida é aquela que é feliz.

Então corremos atrás da felicidade. Executivos que acham que seriam mais felizes se fossem surfistas. Advogados acham que seriam mais felizes se fossem Arquitetos. Professores acham que seriam mais felizes se fossem Psicólogos. E todos que não estão felizes na profissão acham que seriam mais felizes se fossem Coaches.

Temos uma crise existencial e não sabemos onde está a felicidade, onde é o ponto do sucesso. Já não sabemos se formar uma família será bom ou será mais uma área de possível frustração…

Então criamos nossos filhos, um ou dois no máximo, quando temos. Com toda nossa insegurança familiar, profissional e pessoal. Mas como os amamos muito, não queremos que eles passem por isso, então facilitamos absolutamente tudo para eles. Damos todos os brinquedos que eles podem querer, enchemos seus quartos com tecnologias e vamos sustenta-los para sempre. Porque com certeza, dessa forma, eles não terão sucesso profissional, nem pessoal, nem familiar. São mimados e inseguros.

Olhem para a maioria dos adolescentes e crianças de hoje, parecem zumbis em seus Ipads, sem pensar sobre carreira, família ou felicidade. Achando que o mundo deve muito para eles. Não sabendo regras de convivência, educação ou respeito. Não sendo proativos e nem contribuindo com a organização da casa. Vivem em um mundo paralelo e virtual. Talvez o modelo de sucesso para essa geração seja minimizar a frustração através da fuga.

Mas quem disse que isso é errado? Talvez só seja um novo modelo que me assusta tanto quanto meu avô ficaria assustado ao ouvir que um homem poderia ficar em casa cuidando da família enquanto sua esposa sairia para trabalhar.

Pode ser que essa geração não pense em dinheiro, nem em sucesso nem em estabilidade, apenas viva o momento presente e resolva os problemas quando surgirem.

Receba GRATUITAMENTE a minha Newsletter para te inspirar a ter uma vida consciente!

Junte-se a várias pessoas para receber dicas exclusivas direto da Luiza