HOME  /   BLOG

A FRUSTRAÇÃO FAZ PARTE DA EDUCAÇÃO INFANTIL?

A frustração faz parte da vida de todos nós. As coisas não saem sempre da forma que planejamos, na verdade, na maioria das vezes precisamos redesenhar o plano inicial. Isso acontece porque a vida está sempre em movimento e tudo pode acontecer.

A superproteção a que muitos pais submetem os filhos traz um impacto negativo no desenvolvimento das habilidades sociais deles. Quanto mais você faz pelo seu filho, menos ele aprende a fazer por ele mesmo. E ao perceber-se incapaz de fazer muitas coisas, pois nunca teve a oportunidade de treinar, acredita que não é útil, ou não consegue, e passa a repetir esse padrão até a vida adulta.

Deixe seu filho conhecer seus próprios limites, saber até onde consegue ir, tentar fazer as coisas sozinho. Avalie a capacidade dele e cuide para que não se machuque, mas deixe-o tentar. Dê tarefas para ele como arrumar a cama, dobrar sua roupa, guardar seus brinquedos, essas atividades não oferecem nenhum perigo.

Tente não dar sempre respostas prontas aos questionamentos das crianças, faça os pensar, instigue-os, responda com outras perguntas, pergunte a opinião deles.

Deixe ele ficar frustrado e lidar com esse sentimento. Deixe ele fracassar em algumas tentativas. Dê a oportunidade de arcar com as consequências, limpar o que sujou. Prepare as crianças para o mundo real e não para o mundo que você desejaria viver.

Crianças superprotegidas tendem a ter a autonomia e o desempenho prejudicados, pois não conseguem desenvolver o senso de confiança. Serão adultos que provavelmente terão dificuldade de se estabelecer no mundo, e apresentarão características fortes de dependência, sentimento de inferioridade, incompetência, vulnerabilidade e fracasso.

Famílias superprotetoras, na tentativa de proteger a criança dos perigos do mundo, e facilitar a vida das crianças, não reforçam sua autonomia.

Além disso, também vemos muitas famílias sendo permissivas no modelo educacional que seguem. As crianças que crescem em um ambiente permissivo tendem a ter dificuldades em seguir regras e normas, em respeitar os direitos dos outros e cumprir metas pessoais. Pais que têm dificuldades na aplicação de limites realistas promovem na criança um sentimento de merecimento, de grandiosidade, falta de autocontrole e de autodisciplina. Nesse caso, o futuro adulto terá como forte característica o egoísmo, que geralmente mascara um autoconceito fragilizado e uma imagem deturpada de si mesmo, característicos da baixa autoestima.

As crianças querem ser aceitas e admiradas pelos pais. O adulto quer ser amado, aceito e reconhecido pela sociedade. Isso nunca muda. Quando uma criança percebe que consegue fazer algo e se sente útil, tem a mesma sensação que o adulto tem quando isso acontece. Isso aumenta a autoestima e a autoconfiança de todos nós. Mas o que vemos, são adultos que têm medo de sair da zona de conforto e por isso não conquistam muitas coisas ao longo da vida.

As vezes os pais estabelecem uma relação de amor condicional, isto é, a criança apenas recebe afeto e atenção mediante a determinado comportamento. Isso causa uma necessidade de ganhar aprovação. Se os pais ressaltam que gostam do filho apenas quando se comporta desta ou daquela maneira, criança não consegue avaliar isso como mentira e passa a eliminar o comportamento indesejado para agradar aos pais. Isso é ótimo para os pais, mas o que a criança aprende com esses procedimentos?

Dependendo do nível de exigência em que isso acontece, a criança tende a generalizar e pode se tornar um adulto que acredita que deve atender às necessidades e expectativas dos outros, suprimindo as suas, tornando-se submisso e facilmente abusado. Buscando sempre aprovação, reconhecimento e se relacionando de maneira subjugada e tendo extrema dificuldade em dizer “não”. Ou seja, um futuro muito difícil.

Receba GRATUITAMENTE a minha Newsletter para te inspirar a ter uma vida consciente!

Junte-se a várias pessoas para receber dicas exclusivas direto da Luiza