HOME  /   BLOG

Quando todas sentiram a dor de uma

Ainda falaremos desse assunto por muito tempo. Por todas as mulheres que foram violentadas, por todas que apanharam, por todas que foram humilhadas, por todas que sentem-se obrigadas a fazerem sexo, mesmo sem vontade com seus maridos, por todas que sentiram culpa por ser mulher, por todas que são obrigadas a ouvir cantadas, por todas que sentem-se desconfortáveis quando percebem um homem olhando fixamente com cara de louco faminto, por todas que ouvem opiniões preconceituosas sobre suas escolhas, por todas que estão chocadas com a história de Beatriz.

Todos acompanharam o crime lastimável que aconteceu essa semana e fez com que muitas mulheres se unissem e sofressem o luto de uma menina.  Milhares de mulheres entraram nessa luta pela liberdade das mulheres, para que possamos Ser sem medo. Contra toda e qualquer forma de violência.

Muitos pontos precisam ser analisados desse fato. Infelizmente algumas pessoas ainda falam que a moça estuprada por trinta homens era garota de programa, fazia sexo grupal com frequência, era safada, era amiga dos bandidos, usava roupas curtas, era favelada, dançava funk… Isso me fez lembrar das avós, das tias, das mães, das vizinhas, das várias mulheres que nos ensinaram a nos comportar, a nos vestir de modo recatado, a ter modos, a não rir tanto perto de um homem, a nos dar ao respeito, a não usar roupas curtas e decotadas, a não provocar, a evitar lugares promíscuos como baladas, a tantas regras, e se fizéssemos algo diferente dessas regras então alguma coisa terrível poderia acontecer e a culpa seria nossa, isso é a cultura do estupro.

Mas ninguém disse que os nossos atos devem ser baseados nos nossos valores e não no comportamento dos outros. Não é porque uma moça está dançando funk com um vestido curto que ela pode ou merece ser estuprada. Os homens deveriam ter os comportamentos baseados em seus próprios valores independente de como uma moça se apresente.

Sendo ou não verdade o que aconteceu com Beatriz, não podemos negar que isso acontece com várias mulheres no mundo inteiro. E isso é grave. A culpa nunca é da vitima e nada justifica um ato de crueldade como esse.

Talvez você pense, “mas eu nunca faria isso”, então reflita: quando alguém te trata mal você trata mal essa pessoa também?  Se sim, então seu comportamento não está baseado nos seus valores e sim no comportamento dos outros e no seu orgulho. Assim como os estupradores. Claro que nas diferentes proporções.

Sabe aquela frase: “minha atitude depende da sua”? Pois é, ela está errada. Minha atitude depende dos meus valores.

O que eu quero dizer é que a raiz de todos os problemas que vemos no mundo, e reclamamos, está em todos nós. Na nossa falta de consciência, na nossa falta de controle emocional.

O que aconteceu semana passada resultou em um grande alarme. Nossa sociedade precisa de atenção. Todos nós somos responsáveis por isso, precisamos mudar como pensamos e agimos. Precisamos mudar na raiz.

Esse ato foi de profunda inconsciência em seu nível mais absoluto. A raiz do problema é a falta de consciência de seres individuais mas também de toda a sociedade.

Estamos todos unidos em pensamentos e atos, a cada instante. Estamos todos juntos construindo a cada pensamento a nossa sociedade.

Toda a sociedade é responsável por todas as coisas horríveis que estamos vendo atualmente. Nós oferecemos a cultura, as crenças, os pensamentos através de filmes, ideologias, músicas, imagens… Nós não estamos educando ninguém quando poderíamos e deveríamos estar fazendo isso… nós estamos cada vez mais egoístas e colocando a culpa em tudo menos em nós mesmos.

O pensamento doentio mundial é: “O que é mais fácil? O que dá menos trabalho? O que dá mais dinheiro?” E ninguém pensa… Apenas ganha esse jogo da vida quem tem mais consciência. Quem ainda vive adormecido ficará cada vez mais doente e perdido.

Vou te dar um exemplo prático dessa inconsciência, o que estamos cantando?

“mas aquele 1% é vagabundo e elas gostam”;

“Calça apertada, bunda empinada, dez vezes melhor que a sua namorada”;

“Antes embriagado do que iludido, acreditar no amor já não faz mais sentido, eu vou continuar nessa vida bandida.”;

“Se fosse mulher feia tava tudo certo, Mulher bonita mexe com meu coração”;

“You know what to do with that big fat butt, Wiggle, wiggle, wiggle”;

“Baby I’m preying on you tonight Hunt you down eat you alive Just like animals, animals.”;

“Yeah it’s pretty clear, I ain’t no size two, But I can shake it, shake it like I’m supposed to do, cause I got that boom boom that all the boys chase, All the right junk in all the right places.”;

“So what’s it gon’ be? Put that shit away Iggy, You gon’ blow that rape whistle on me, (Squee!) I love it.”

Você até pode não gostar de nenhuma dessas músicas, mas tenho certeza de que não presta muita atenção no que canta, ou no que assiste, ou no que faz. Estamos tão acostumados com a inconsciência que tudo parece normal. Nossa alimentação, comprar roupas de fast fashion, não se importar com a nossa produção de lixo, parar o carro cinco minutos na vaga de idosos. São tantas as coisas que as pessoas até falam, “é impossível viver tão certinho”, sim, continuará sendo impossível enquanto todos reclamarem e poucos agirem. É só agir com consciência a todo momento e parar de justificar erros.

E para aqueles que estão dominados pela extrema inconsciência, é preciso afastar pelo tempo necessário estes seres monstruosos da sociedade, mas não com punição e sim de alguma forma restaurar profundamente suas consciências até terem condições de conviverem com outros Seres novamente sem oferecer perigo ao próximo. São pessoas feridas que ferem e quanto mais feridas mais irão ferir. Matá-los seria uma solução? Sim, a mais fácil, mas não a melhor. Não devemos nos prender no ciclo do ódio que só gera mais ódio, mas sim no ciclo da consciência que é curativa e que gera mais consciência e cura.

Todos estão buscando o caminho mais fácil, se todos continuarem assim, continuaremos tendo os mesmos resultados.

COMO ALGUÉM SE TORNA UM ESTUPRADOR:

Um homem que se percebe com o direito de estuprar. Talvez tenha uma personalidade autoritária com completa falta de empatia, ou tenha um ego inflado e uma vontade de fazer justiça através dessa prática. Ou ainda, tenha autoestima baixa e necessita de sentir-se poderoso.

Pode ser também transtorno mental como Paranoia, então ele se sente o centro do mundo onde ele é o rei poderoso e a mulher alguém inferior que deve obediência. Ele se acha um homem irresistível e que seria uma honra ser desejada por ele e isso faz sua culpa ser quase inexistente.

Certamente ele possui alguma característica anormal e compensatória de um grave problema provavelmente relacionado à rejeição. Mas mesmo que um homem possua um passado terrível e traumático que o fez tornar-se um monstro, um fator importantíssimo a ser levantado é o apoio inconsciente que ele recebe diariamente da sociedade, da cultura do estupro.

 

Receba GRATUITAMENTE a minha Newsletter para te inspirar a ter uma vida consciente!

Junte-se a várias pessoas para receber dicas exclusivas direto da Luiza