• "Até você se tornar consciente, o inconsciente irá dirigir sua vida e você vai chamá-lo de destino." Carl Gustav Jung Antes eu acreditava que as pessoas decidiam suas próprias vidas, que estávamos no controle, comandando nosso futuro, escolhendo nosso cônjuge a nossa profissão, responsáveis pelas decisões que dão forma ao curso de nossa vida. Mas há uma força mais poderosa do que o livre arbitro: nosso inconsciente. Por baixo dos ternos, atrás das portas fechadas somos todos comandados pelos mesmos desejos. E esses desejos podem ser impróprios, sombrios e profundamente indecentes. Pensando agora, não é que eu não soubesse, mas era excitante demais, inebriante demais, eu não conseguia parar e de repente eu estava tão perdida que não reconhecia mais nada, principalmente a mim mesma. ... E assim que começa Gypsy, a nova série do Netflix que tem 10 episódios muito bem elaborados e envolventes. Jean Holloway (Naomi Watts) é uma mulher de classe média, por volta dos 40 anos, muito bem casada, tem uma filha e é Psicóloga Clínica. Uma vida aparentemente perfeita, mas cheia de regras, adequações sociais e responsabilidades. ... Jornalista, formada em Stanford, sua bebida preferida é Bulleit Bourbon, tem um endereço específico, seu antigo apartamento de solteira, e nenhum plano. Uma mulher completamente livre, envolvente e manipuladora. Essa é Diana, o alter ego da Jean. Diana é uma persona usada para fugir da realidade sem graça, é ela quem vai ao café da esquina, quem vai a academia e a qualquer lugar que Jean não precise dizer quem é. Ela se aproxima de Sidney, a ex-namorada de um de seus pacientes, a versão exata de quem ela gostaria de ser. Uma moça jovem, linda, talentosa e que leva uma vida sem regras, elas acabam se apaixonando e tendo um caso amoroso. Sidney é a pura projeção de quem Jean era ou gostaria de ser. Jean vai além da ética e da relação profissional paciente e se envolve intimamente com pessoas ligadas aos seus pacientes com a intenção de entender o que se passa realmente com eles para ajuda-los, para sentir a emoção que é ter o poder e o controle sobre a vida deles e a adrenalina de fazer coisas proibidas. Ela tem um espirito livre e não queria cair nos padrões em que todos caem depois que se casam e tem filhos. Ela queria explorar o mundo, parecia ser uma mulher forte, mas na verdade é emocionalmente frágil e se esconde na figura forte de Diana. Fica em aberto algumas histórias de seu passado, quando se envolveu mais do que deveria com pacientes, se colocando em situações difíceis. A série sugere que terá uma próxima temporada onde seus segredos serão revelados, e provavelmente novos surgirão. A necessidade de controle e a busca por uma vida fora dos padrões sociais são os temas centrais da série. Todos nós temos o desejo de controlar nossa vida e sentimos prazer quando podemos controlar a vida dos outros. Mães querem controlar a vida dos filhos, esposas querem controlar

  • 13 Reasons Why foi lançado no dia 31 de março pela Netflix e está sendo um grande sucesso mundial. Um tapa na cara da sociedade que finge não perceber assuntos que estão explícitos e que causam um grande estrago na vida das pessoas: bullyng e cyberbullying, machismo, sexualização das mulheres, assédio sexual e por fim, suicídio. A série é sobre a vida de uma adolescente comum dos Estados Unidos, Hannah, que é vitima de inúmeras situações comuns aos adolescentes, e esse é o problema, tudo o que ela passa, a maioria dos adolescentes passam e parece que ninguém acha isso estranho, horrível ou perigoso. Depois de muito sofrimento, falta de comunicação, carência afetiva, dramatização e a junção de muitas decepções, Hannah cometeu suicídio. Em 7 fitas cassete ela relata os eventos e suas percepções de cada coisa que aconteceu, dedicando cada lado das fitas a cada um de seus colegas que lhes deram 13 motivos para não querer mais viver. A grande sacada da série é nos fazer pensar se em algum momento fizemos alguma coisa para alguém que poderia nos tornar um “por que”. E o pior: para a grande maioria a resposta é sim. Somos maus quando sentimos medo. E todos que prejudicaram Hannah estavam com medo de alguma coisa. Isso não justifica, mas explica o motivo de Seres humanos agirem como agem. Se alguém se comporta de forma errada, procure seu medo. Clay Jensen – medo da rejeição da Hannah Justin Foley – medo de ser fraco e perder regalias. Não respeita mulheres, pois nunca viu a mãe ser respeitada. Jessica Davis – medo de ser enganada Alex Standall – medo de não ser aceito pelo grupo, medo do pai. Tyler Down - medo de não pertencer ao grupo, de ser invisível, vingativo Courtney Crimsen – medo de ser quem é e não ser aceita Marcus Cooley – medo de ser rejeitado Zach Dempsey – medo de ser vulnerável Ryan Shaver – medo de ninguém gostar do que ele gosta (poesias) Sheri Holland – medo de levar bronca do pai Bryce Walker – medo de não ser importante Mr. Porter – medo de prejudicar seu emprego e sua vida financeira Há muito tempo estamos falando de temas como bullying e machismo, porém de leve, precisava de uma série assim para incomodar todo mundo e nos fazer falar sobre o assunto. Seja por identificação com as personagens e assim perceber que podemos influenciar de forma inimaginável a vida dos outros. Ou para ter coragem de denunciar e desabafar mágoas vividas. Hannah sofria de depressão? Não. Ela viveu uma série de situações que a levaram ao suicídio, muito mais para acabar com o sofrimento do que com a vida. Assim como a maioria dos suicídios que são expressões simbólicas. Se Hannah tivesse sobrevivido certamente viveria uma vida feliz ao lado de seu namorado Clay e teria mais amigos atentos a ela. Hannah não tinha nenhum motivo clássico para sofrer bullyng, mas mesmo assim foi vítima. O que nos faz

  • Mais do que isso, precisamos falar sobre o que realmente é o amor e como é amar, pois as pessoas se esquecem desse conceito e as coisas parecem ficar um pouco confusas... Amor é liberdade e respeito, é admiração e motivação é apoio e segurança. Amar é equilibrar essas emoções e trabalhar em si mesmo essas emoções também. É se autoconhecer, se autorespeitar e se automotivar. É se colocar em primeiro lugar sim, e saber que se você não fizer por você, ninguém tem a obrigação de fazer. Se você está se sentindo carente, ame-se em primeiro lugar. Se estiver inseguro nesse relacionamento, sinta-se seguro com você mesmo, com seus sonhos e seus projetos. Não coloque sua vida na mão do outro e não aceite que ninguém coloque a vida em suas mãos, cada um é responsável pelo próprio desenvolvimento, podemos ajudar e ser ajudado, mas nunca delegar essa responsabilidade, pois isso e fugir de si mesmo. Tudo que há em mim só pode ser transformado por mim, e tudo que há no outro só pode ser transformado por ele e se ele quiser. Ninguém muda ninguém e ninguém deve querer mudar ninguém, porque isso não é amor, é desrespeito. Quando estamos em um relacionamento e queremos que o outro mude, a única coisa que podemos fazer é dizer ao outro como eu me sinto com as atitudes dele, se ele quiser então ele mudará. Não devemos obrigar essa mudança, muito menos brigar porque queríamos que o outro agisse diferente. Ele não agiu diferente porque não quis, é muito simples. Não posso mudar o que vem de forma legítima do coração de outra pessoa por mais que isso me deixe triste. Não posso obrigar alguém a me amar mais, a me dar mais atenção ou a me tratar melhor se essa pessoa não fizer isso por vontade própria. Há uma grande diferença entre acusar alguém de fazer algo que te machucou e dizer que se machucou com algo que alguém fez. Nos sentimos ofendidos a partir do nosso histórico de vida, podemos ter passado por tanto sofrimento que nos tornamos alguém muito sensível, e então interpretaremos de forma errada as atitudes do outro, como se tudo fosse pessoal. Precisamos avaliar qual foi a intensão do outro com aquela atitude e dizer que aquilo nos ofendeu. Pois acusar alguém de algo errado também é uma agressão. Eu sou responsável pelos meus sentimentos, emoções, atitudes, pensamentos e palavras. Da mesma forma que escolho o que falo, devo escolher o que acolho. Não escolhemos o que ouvimos, mas escolhemos a forma de interpretar o que ouvimos. Nossas atitudes não devem depender das atitudes das outras pessoas e sim dos meus valores. Não devemos reagir ao que nos acontece e sim entender porque acontece e então agir, não contra o outro, mas a nosso favor. Quem ama deve buscar o amor, deve emanar amor e se o outro não corresponde é um problema do outro. Não podemos querer ter controle sobre a vida do

  • Há quem diga o contrário, mas eu acredito que todas as pessoas têm uma missão de vida e que nasceram com uma finalidade. Por isso, acredito que a mediocridade é o destino dos preguiçosos e que todos nós podemos ter realizações. Vamos te ensinar a ser uma pessoa mais interessante e sair da mediocridade em 10 passos: Autoconhecimento é fundamental. É importantíssimo que você se conheça para poder tomar decisões mais certas e coerentes. Ter um caso de amor com você mesmo é a chave para uma vida maravilhosa, o autoconhecimento é o primeiro passo para aumentar a autoestima. Então comece a se interessar mais por você... ESCUTE opiniões diferentes das suas. Eu sei que a nossa primeira reação, ao conversar com alguém que pensa diferente da gente, é achar que a pessoa está errada, é babaca, não sabe nada da vida... Mas essa pessoa tem motivos para pensar da forma que pensa e quem sabe seus argumentos são tão bons que te farão repensar seus ideais. E achar que você está sempre certo te tornará uma pessoa chata. DESCONECTE da internet. Eu sei que a internet tem muitos benefícios, mas é importante equilibrar com a realidade do momento presente. Se você viajar sem destino poderá encontrar lugares incríveis. Se você estiver atento às pessoas poderá conhecer gente nova. Se você não tiver nada para fazer poderá pensar, refletir, ficar sentado no meio da sala sem nenhum estímulo, apenas você e sua consciência, isso é maravilhoso! SINTA. Apenas sinta, não fuja de sentimentos. Perceba as sensações que as coisas te trazem. Tente sair do automático e sinta. Perceba dos sons, os cheiros, as texturas, as belezas, o gosto das comidas durante o dia, use seus sentidos. Perceba os momentos de frustração, tédio, tristeza sem querer sair deles. Tudo é dual, é preciso sentir frio para sentir prazer no calor, é preciso sentir tristeza para valorizar a alegria. DESCUBRA coisas novas. As crianças são muito curiosas, então em algum momento da sua vida você já se interessou por muitas coisas e aprendeu perguntando para as pessoas, você não sentia vergonha em não saber, por isso aprendia mais rápido. Faça mais perguntas, se interesse por diversos assuntos, assim você descobrirá coisas novas de que gosta e nunca imaginou que poderia gostar. MOSTRE-SE para o mundo. As pessoas não saberão o que você sabe se você não contar, às vezes uma ótima oportunidade de emprego está bem perto de você, mas se as pessoas não sabem sobre quais assunto você domina ninguém te indicará para uma vaga. Todas as pessoas tem portas abertas em potencial. DÊ SENTIDO a sua vida. Saia da rotina, comer, trabalhar, ver TV, comprar, dormir, acordar... Faça algo legal, que dê sentido a sua vida, faça coisas das quais você se orgulha. Mesmo que você não saiba o que fazer da vida, comece cuidando do seu corpo, da sua casa e depois da sua profissão. Leia livros e assista a filmes clássicos, no mínimo você será uma ótima companhia. NÃO

  • Muito tem se falado sobre o sagrado feminino e empoderamento feminino. Mas você sabe o que são essas coisas e sabe como conquista-las? O empoderamento feminino é se conectar com a essência feminina e essa essência está ligada ao divino, por isso sagrado. Todas as mulheres podem e conseguem sentir-se conectadas e empoderadas, mas não são todas que acreditam nesse poder ou que conhecem seus benefícios. Uma mulher empoderada é uma mulher livre e conectada com a sabedoria da vida, da natureza e dos antepassados. É uma mulher que conhece seus ciclos e os ciclos da natureza e tem a sensibilidade de perceber e respeitar os processos de outras pessoas. Para que uma mulher sinta-se empoderada ela precisa se conhecer, saber de suas fortalezas e debilidades, buscar corrigir seus erros e tornar-se cada vez melhor e mais sábia, para que assim inspire outras mulheres a acessarem seus potenciais e a se empoderarem também. Uma mulher empoderada é conectada, conhece sua missão e a vive plenamente, não se desvia e não se perde em situações que não trazem crescimento ou aprendizados. Ela sabe qual é seu sonho e segue seu caminho até realiza-lo. Uma mulher empoderada aceita a impermanência da vida e suas revoluções, ela tem a fluidez da água para se readaptar aos imprevistos e fluir sem discutir com os aborrecimentos que ela não pode mudar, ela busca aprender com eles, mesmo com os mais dolorosos. Ela não culpa ninguém pelo que lhe acontece, sabe que é responsável pelo seu futuro. Uma mulher conectada com a sua essência sabe o que lhe faz bem e consegue desapegar do que não faz, pois não sofre pelo apego, ela tem consciência de que o melhor a espera e não sente medo de se soltar do que não faz bem. Uma mulher empoderada tem o amor que acha que merece e não aceita menos do que um ótimo relacionamento. Ela busca crescimento, parceria e lealdade e assim também entrega. Ela não sente ciúmes, pois acredita que um homem ao seu lado será muito feliz, mas caso não esteja ela o deixa livre para ir. Ela admira, confia e respeita e assim também quer ser tratada. Uma mulher empoderada é livre para decidir o que quer e como se sente melhor, ela não precisa provar nada para ninguém, pode assumir qualquer papel que quiser, desde dona de casa até líder de grandes equipes em grandes empresas. E sabe que sua decisão não é baseada no medo e sim no amor. Uma mulher empoderada não julga outras mulheres, pois não se sente melhor do que elas, ela sabe que o julgamento é uma armadilha do ego e que todas as mulheres estão nesse planeta para aprender, ensinar, desfrutar e cumprir sua missão. Cada uma está em um momento de vida e têm histórias diferentes. Uma mulher empoderada não tem medo de mudanças, ela já aprendeu que até nos momentos difíceis é possível ver beleza, pois o mundo é dual e somos nós que escolhemos para

  • O carnaval é a época do ano escolhida para as pessoas extravasarem suas fantasias e desejos, reprimidos o resto do ano, sejam eles bons ou ruins. São os dias em que as sombras pessoais saem para sambar na avenida sem medo de julgamentos. São os dias mais esperados do ano para viver personagens, munidos de suas fantasias, que se permitem fazer o que querem sem julgamentos de valor e livres de cobranças morais. É uma época para fugir dos sofrimentos, esquecer dos problemas e fingir que tudo está bem. Pelo menos no Brasil, é a época do ano mais primitiva que há, é onde os instintos mais selvagens estão aflorados. A Psicologia explica esse fenômeno, segundo Freud, é neste momento de carnaval que somos dominados pelo ID, que é uma parte da nossa psique mais selvagem e indisciplinada, todos os seres humanos possuem ID, muitos o controlam bem, mas é no carnaval que várias pessoas o libertam e são tomadas pelos impulsos do prazer e conduzidos pelos desejos, e as consequências parecem muito distantes. Podemos ver na avenida vários personagens incorporados, chamados por Jung de Arquétipos. Tem o masculino dominador, que é aquele cara bombado sem camisa tentando seduzir, ou atacar, qualquer mulher que ele ache atraente sem se preocupar se ela quer ser “seduzida” ou não. Tem a mulher Afrodite sedutora, que são as mulheres que seduzem através do corpo, muitas podem escorregar para a vulgaridade, mas o objetivo é se sentir bonita, atraente e desejável. Mesmo que elas neguem o objetivo de seduzir e falem que estão só se divertindo, a linguagem corporal sempre falará mais do que as palavras ditas. Tem também o louco, que se passa na bebida, na dança, na euforia e vive tudo em exagero sem medir as consequências. Tem o palhaço que busca a aprovação dos outros através da palhaçada, de ser engraçado e fazer os outros rirem dele. Tem o alquimista que proporciona sensações maravilhosas e afrodisíacas através de bebidas e drogas. E ainda podemos ver o sábio que é aquela pessoa sensata que fala para não beber e dirigir, para usar camisinha e fazer sexo seguro, para se hidratar tomando bastante água e para passar filtro solar. É também no carnaval que podemos percebemos outro fenômeno interessante: o poder do grupo sobre o indivíduo. O Ser Humano é um Ser sociável que se relaciona constantemente e necessita de bons relacionamentos para ser feliz. Quando uma pessoa está em grupo, ela fica extremamente influenciável pela energia coletiva e tende a perder suas características pessoais, ficando propensa a apresentar comportamentos grotescos que teria vergonha de fazer se estivesse sozinha. Podemos dizer que o fenômeno de grupo é semelhante a uma hipnose, pois em ambos as pessoas são mais regidas pelo inconsciente e tem menos respostas racionais. Por exemplo, em grupo uma pessoa se sente forte o suficiente para quebrar um patrimônio público, coisa que não faria se estivesse sozinha. Infelizmente poucas pessoas usam o poder do grupo para fazer coisas boas e construtivas.

  • A vida nem sempre está como gostaríamos, e muitas vezes precisamos enfrentar desafios e situações assustadoras. Para que tudo dê certo é preciso ter autoconfiança e tranquilidade. Para ter autoconfiança é preciso ter poder pessoal, para ter poder pessoal é preciso ter autoconhecimento e para ter autoconhecimento é preciso, entre outras coisas, fazer terapia. Sim, os psicólogos não tratam apenas de pessoas com transtornos mentais, tratamos pessoas que querem ter uma vida mais valiosa. Mas se você precisa agora de autoconfiança, um truque rápido, que não substitui a terapia, mas quebra um galho, é a mudança da sua posição corporal. A linguagem corporal pode dizer muito sobre uma pessoa, é uma forma de comunicação inconsciente que tem muitos resultados e pode transmitir autoconfiança mesmo que você não se sinta assim tão confiante. Antes de passar por qualquer situação que te assuste, como falar em publico, faça a posição da Mulher Maravilha. Essa é uma postura bastante usada por super heróis: fique em pé com os pés em paralelo, um pouco afastados, alinhados com o seu ombro. Abra o peito colocando os ombros para trás, deixe seu queixo um pouco inclinado para cima, olhe para frente ou para cima. Feche as mãos em um soco e coloque-as na cintura. Sinta como seria se você fosse poderoso. Você pode imaginar essa sensação. Respire profundamente e lentamente. Pesquisas científicas mostram que as pessoas que utilizam essa técnica têm resultados mais positivos do que as que não fazem esse exercício. A linguagem corporal influencia a forma como os outros nos veem e também pode mudar a nossa percepção de nós mesmos.

  • A cada bela impressão que causamos, conquistamos um inimigo. Para ser popular é indispensável ser medíocre. Oscar Wilde Quando nos esforçamos para sermos bons, logo aparecem os inimigos, aquelas pessoas que sentem inveja e farão de tudo para encontrar nossos defeitos, elas se sentem ameaçadas pela sua própria consciência, pela cobrança que fazem a si mesmas por não estar no nosso lugar. Se você tem inimigos, fique feliz, isso significa que você não é medíocre e está fazendo algo grande que ele gostaria de fazer mas não fez. Se você tem raiva de alguém, então tenha humildade e avalie se isso não é inveja. Se essa pessoa não te fez nada propositalmente, esse inimigo pode ser criação da sua cabeça. Ainda assim, ele te ensinará muito sobre você e suas conquistas, ou a falta delas. Existem três tipos de inimigos. Os que interpretam algum comportamento do outro como negativo e pessoal, ficam magoados e por isso querem vingança. Os que sentem inveja. E os que propositalmente prejudicam o outro para se dar bem. Conviver com as pessoas pode não ser tão fácil e é preciso tomar alguns cuidados com a nossa comunicação. É bom lembrar que as pessoas interpretam o que ouvem através de um tradutor interno que é baseado em suas experiências de vida. Quanto mais uma pessoa sofreu, mais ela levará coisas para o pessoal e mais ela será reativa, por isso é mais fácil de sentir raiva dela. Ter inimigos pode ser uma coisa ruim, mas tem seu lado bom e é isso que devemos aproveitar. Algumas coisas boas sobre nossos inimigos: Ninguém pensa tanto na gente quanto nossos inimigos. Se você se sentir sozinho, saiba que ele está pensando em você. Estão atentos a tudo o que fazemos, isso nos motiva a produzir cada vez mais. É bom ter plateia para dar o nosso show. Se conhecermos sua inteligência anteciparemos seus passos. Assim eles deixam de ser uma ameaça. Nos motivam a ser cada vez melhor, nada irrita mais nosso inimigo quanto o nosso sucesso. São historiadores da nossa vida, sabem tudo sobre nós. Eles nos mostram onde precisamos melhorar e se tivermos humildade poderemos nos tornar alguém muito melhor através desse feedback. Não podem nos trair, apenas os amigos podem. Quando os temos, sabemos que não somos medíocres, pessoas medíocres não fazem inimigos. Nos desafiam a provar que somos cada vez melhor. Eles nos fazem ficar atentos ao que está acontecendo, é sempre bom saber quem poderá nos prejudicar, assim nos protegemos antes do ataque. São os nossos inimigos que nos ensinam as mais valiosas lições de vida (provérbio chinês)    

  • Final de ano, sol, calor, praia, férias? Não para alguns pais. Enquanto as crianças se divertem em casa, essa época de férias escolares pode ser o momento em que muitos pais trabalham o dobro. Cuidar das crianças pode não ser tão fácil, mas nós vamos te ensinar alguns truques infalíveis que tornarão essa tarefa mais simples e divertida. Crianças adoram se sentir importante e fazer parte de alguma coisa. Criança entediada é um problema e o tédio é prejudicial para o desenvolvimento emocional e cognitivo. Crianças são como adultos, só que mais espontâneas, fantasiosas e imaturas. Elas sentem medo, ansiedade, vergonha, não se conhecem muito bem, por isso muitas vezes não sabem o que querem, são agitadas e curiosas. Elas querem e precisam sentir segurança nos pais, por isso os limites são tão importantes. Na maioria das vezes conseguimos controlar uma crise infantil com perguntas, isso faz com que a criança pare de pensar no que estava pensando e raciocine para responder. Quando a criança fizer aquele show de fazer os pais passarem vergonha, ela obviamente está com um problema que não consegue resolver, sente uma mistura de frustração com raiva e medo. Então o adulto deve parar tudo que estiver fazendo e perguntar para a criança: “esse problema é pequeno, médio ou grande?” Ensine-a sobre os problemas da vida, que eles podem ser fáceis de resolver ou difíceis e que você a ajudará. Depois faça um exercício para controlar a ansiedade da criança, diga a ela: “vamos imaginar que estamos enchendo uma bexiga enorme, vamos inspirar pelo nariz e soltar pela boca bem devagar.” A respiração acalma adultos e crianças. E também ajudará se você disser: “agora vamos deixar seu problema aqui em cima da mesa até que... e depois continuamos a resolvê-lo”. Crianças são muito imaginativas, isso dará certo. Outra dica para esse momento é ouvir o problema da criança e perguntar: “porque você pensa assim?” Ajude-a a responder e elaborar o que está sentindo. Se a criança estiver ansiosa por algo que irá acontecer pergunte para ela: “o que acontecerá depois disso?” Peça para ela repetir várias vezes: “eu posso fazer isso, eu consigo fazer isso, vai dar tudo certo” com várias entonações de voz e até mesmo cantando, isso tornará a situação mais leve. Depois você pode dizer: “eu amo você e juntos nós formamos uma equipe incrível”. Também ajuda a dividir o problema em pequenas partes: “com o que precisamos nos preocupar primeiro? Com o que eu posso te ajudar?” Se a criança estiver com medo, pergunte do que, peça para ela desenhar, para ela falar sobre seu medo. Falar sobre o medo transforma-o em algo concreto e isso ajuda a eliminar a ansiedade.  Pergunte a ela: “me diga a pior coisa que pode acontecer” e então fale como vocês podem resolver o pior caso. Também ajuda quando você pergunta: “se o seu medo tivesse uma cor, qual seria?” Para distrair uma criança rapidamente, a melhor coisa é começar a contar, vocês podem contar objetos,

  • É só olhar em volta pra perceber que as coisas não são mais como eram antigamente. O modelo de sucesso para os meus avós, e para os seus também, era uma família estruturada, um bom casamento antes dos 30 anos, ter mais de dois filhos bem criados, ter sempre uma boa comida caseira na mesa, lençóis e toalhas limpas, e vestir-se de forma elegante mesmo dentro de casa. As pessoas se ajudavam profissionalmente, não havia tanta guerra de egos e tantas metas inatingíveis. E o pensamento era mais em mostrar caráter do que ganhar dinheiro. Pessoa bem sucedida era aquela que tinha uma família que deu certo. E assim nossos avós criaram os nossos pais: esperando que eles conquistassem esse padrão de sucesso, que formassem uma família sólida e que fossem felizes. Mas deu errado. Nossos pais são a geração do divórcio e das famílias reconstruídas. O modelo de sucesso esperado pelos nossos avós não deu certo e todo mundo ficou frustrado. Nossos pais encontraram outro modelo de sucesso: a carreira. Trabalharam duro, lutaram para fazer uma faculdade, estudaram bastante, abriram negócios, prestaram vários concurso. Fizeram o melhor que puderam para nos criar bem. Consideram-se mais ou menos bem sucedidos por isso. Eles têm uma carreira sólida, casa própria, casa na praia, algum dinheiro guardado e reconhecimento na área profissional. Para eles, pessoa bem sucedida é aquela que deu certo na carreira. E assim fomos criados, com muita facilidade para termos cedo uma formação e uma profissão de sucesso. Ensinaram-nos a estudar, poupar, planejar e investir. Disseram-nos direitinho o que fazer. Então nós estudamos em colégios particulares, passamos no vestibular, e estamos lutando para ter um diferencial no mercado em meio a tantos profissionais tão capacitados como nós. Não pensamos mais que formar uma família seja prioridade, talvez nem tenhamos filhos. Não sabemos se ficaremos no emprego, ou se nosso negócio dará certo. Não temos certeza de mais nada e então encontramos outro modelo de sucesso: ser feliz.  Agora pessoa bem sucedida é aquela que é feliz. Então corremos atrás da felicidade. Executivos que acham que seriam mais felizes se fossem surfistas. Advogados acham que seriam mais felizes se fossem Arquitetos. Professores acham que seriam mais felizes se fossem Psicólogos. E todos que não estão felizes na profissão acham que seriam mais felizes se fossem Coaches. Temos uma crise existencial e não sabemos onde está a felicidade, onde é o ponto do sucesso. Já não sabemos se formar uma família será bom ou será mais uma área de possível frustração... Então criamos nossos filhos, um ou dois no máximo, quando temos. Com toda nossa insegurança familiar, profissional e pessoal. Mas como os amamos muito, não queremos que eles passem por isso, então facilitamos absolutamente tudo para eles. Damos todos os brinquedos que eles podem querer, enchemos seus quartos com tecnologias e vamos sustenta-los para sempre. Porque com certeza, dessa forma, eles não terão sucesso profissional, nem pessoal, nem familiar. São mimados e inseguros. Olhem para a maioria dos adolescentes e

  • Primeira coisa a se saber é que tudo vai depender da sua autoestima. Você vai atrair o amor que acha que merece. Se não tiver uma boa autoestima, provavelmente não terá o amor que você tanto deseja. Outra coisa importante é não se deixar levar por crenças limitantes como: o amor não existe, é muito difícil encontrar alguém hoje em dia, ninguém vai me amar de verdade, ninguém é fiel... Nenhuma dessas afirmações são 100% verdadeiras e não acontece para todos, então por que você acha que será assim para você? Tendo a autoestima equilibrada e não acreditando em crenças negativas, já é meio caminho. Agora só precisa se tornar a sua melhor versão. Quanto melhor for uma pessoa, mas ela será admirada e quanto mais admirada mais pretendentes a companheiro de vida e assim aumenta a possibilidade de escolha. Não aceite menos do que você merece por achar que não encontrará ninguém, pois a pessoa que você namora irá influenciar diretamente todas as áreas da sua vida, seu sucesso profissional e bem estar pessoal. A sua vida é muito importante para descuidar tanto assim. Não seja uma pessoa carente, insegura e pegajosa, ou pelo menos não demonstre isso. Pense, as pessoas preferem diamante ou strass? Você quer ser um strass, comum e sem valor? Seja um diamante! Pessoas interessantes estão muito ocupadas fazendo coisas interessantes, elas não ficam a todo o momento pensando no amor, cada coisa tem que ter seu lugar e seu tempo certo. Procure fazer coisas que você gosta, ocupe seu tempo, sua cabeça e sua vida fazendo coisas úteis. Aprenda coisas novas. Não tem nada mais interessante do que uma pessoa culta. Eu disse culta e não metida e nem boçal. Pessoas que sabem conversar sobre vários assuntos, que tem a cabeça aberta a novas ideias e a humildade de poder mudar de ideia. Isso é bem atraente. Mas cuidado para não querer mostrar superioridade com as pessoas que não tem o mesmo conhecimento que você, isso é muito feio. Cuide do seu corpo. Todo mundo julga o tempo todo e mesmo que as pessoas achem isso errado elas continuam julgando. Cuide da sua higiene e da forma como se veste. E lógico, da sua saúde, pois a idade ajuda, mas depois o corpo cobra a conta de tudo o que fizemos e deixamos de fazer. Aceite que algumas pessoas não vão gostar de você mesmo que você tente ser a melhor pessoa do mundo, não se humilhe, não corra atrás de quem te esnoba. O mundo está cheio de pessoas interessantes. Seja completo, resolva seus problemas,não espere que ninguém te salve.

  • 2016 foi um ano difícil para muita gente, um ano confuso, cheio de briga, ódio, mortes, recessão e depressão. Muitas perdas e dúvidas. Um ano da frase “não acredito que isso aconteceu”. O fim de uma Era que durou 2016 anos, a Era de Peixes termina, o drama e o ego também, e então se inicia a Era de Aquário e a promessa de mais consciência, compaixão, verdades e liberdade. Teremos a ajuda dos astros, mas devemos fazer a nossa parte para ter uma vida mais consciente e valiosa. Não conseguimos controlar tudo o que nos acontece, mas podemos ter maturidade e consciência para saber de que forma iremos reagir. A diferença entre uma pessoa feliz e uma infeliz é a forma que ela avalia os momentos estressantes que vive. Chegou o momento em que todos devem buscar propósitos para a vida valer a pena, isso faz com que a pessoa seja protegida de influências externas negativas, que ainda estão por vir, e tenha mais felicidade pelo caminho. Vamos trilhar um ano de 2017 com expectativas positivas e mais feliz? Podemos influenciar nosso bem estar com atitudes e pensamentos que farão a diferença. Aqui vão algumas dicas que poderão te ajudar a ter um ano maravilhoso: Defina um propósito de vida: Agir com propósitos é ter consciência de tudo aquilo que se faz, é fazer coisas que fazem sentido: “para que farei isso?” Quando tudo tem um objetivo claro, a vida fica mais fácil. Todo caminho tem momentos bons e momentos difíceis, algumas vezes a dor é inevitável, mas o que importa é como reagimos ao que nos acontece. Quando damos significado ao que fazemos, quando temos um objetivo maior, uma missão de vida, conseguimos driblar as dores e continuamos a caminhada rumo ao nosso propósito. Não seja vítima: Tudo o que acontece na sua vida é de responsabilidade sua, ou aconteceu para que você aprendesse alguma coisa ou foi por que você caminhou para que isso acontecesse. Colocar a culpa nos outros pelo que acontece a você é confortável, pois tira o peso da responsabilidade e te coloca em uma condição passiva, dá a sensação de que você não precisa fazer nada para resolver seus problemas. Mas saiba que quem se vê como vítima dificilmente atingirá o sucesso. Positive seus pensamentos: Há quem não acredite que pensamentos positivos tem o poder de mudar a realidade, mas existem muitos estudos que comprovam isso, na dúvida, não custa tentar. Baseamos nossas expectativas no que vemos os outros viverem, e quando nossa realidade não está de acordo com as nossas expectativas, sofremos. Mas na verdade não sabemos o que nos faz bem. Quem disse que esse namorado ou esse emprego é bom para você? Ou que aquele vestido te fará feliz? Saiba que absolutamente tudo tem o lado bom e o lado ruim e é você quem escolhe qual lado olhar. Se você for positivo, olhar o lado bom, terá uma realidade mais agradável. Desenvolva autoconhecimento: Conheça-se, saiba quais são seus pontos positivos

  • Lidar com pessoas pode não ser fácil, mas, sabendo fazer isso, você pode transformar a vida de muita gente. Lembre-se de que pessoas são sensíveis e tornam-se reativas facilmente. Uma pessoa que reage agressivamente faz isso porque está sofrendo ou teve um grande sofrimento no passado que ainda não elaborou. Isso não é desculpa para ser mal-educado ou agressivo, mas explica esses comportamentos. Quando você vir algo bonito em alguém, diga a essa pessoa o que você reconheceu nela, diga a ela o que vê de bom. Pois esse comportamento, para você, pode ser simples, mas, para a pessoa, poderá ser o primeiro elogio que ela recebe em anos. Ela se lembrará desse momento com muito carinho. Seres humanos precisam de toque humano, precisam de demonstrações de amor, precisam de abraço. Principalmente se forem crianças ou idosos. Isso é vital para eles. E, para você, não custará nada dar um abraço em seus avós, falar o quanto se importa com eles. Então, quando tiver a oportunidade de abraçar alguém, faça isso. Ninguém gosta de críticas, mas algumas pessoas entendem que elas são necessárias para evoluir e melhorar. Então, se você pretende criticar alguém, faça isso de uma forma que seja um feedback construtivo e, principalmente, diga como essa pessoa poderia fazer isso e para que você está falando isso. Uma critica sem objetivo é uma falta de educação e respeito. As pessoas também não gostam de sinceridade, mas isso não quer dizer que gostem de falsidade. A sinceridade sem amor é uma agressão, então seja sincero apenas 90% e em momentos que julgar necessário, quando realmente fizer a diferença. Se você encontrar uma amiga em uma festa e achar que ela está mal vestida, vai adiantar alguma coisa falar isso? Ela apenas vai se sentir mal e insegura, não poderá trocar de roupa, então fique quieto. Em outro momento, fale como ela ficaria mais bonita com tal e tal roupa. Todos nós temos autoestima ou deveríamos ter, nos sentimos bonitos e agradáveis, ou deveríamos nos sentir. Todos nós temos qualidades, dons e uma missão nessa vida, ninguém nasceu por acaso e sem propósito. Nenhuma vida deve ser desperdiçada, então, se você não está fazendo nada para o seu crescimento, para ajudar alguém, a natureza ou o planeta, comece a fazer agora que você se sentirá bem melhor.

  • É tão comum a gente falar, e ouvir, “se cuida”. Claro que a pessoa não tem a intensão de dizer “não faça nada estúpido”, mas não se sabe exatamente o que as pessoas querem dizer com essa ordem. Nós ainda não descobrimos o que isso quer dizer, mas vamos te ensinar agora algumas formas de cuidar bem de si mesmo. É necessário fazer algumas escolhas, renunciar algumas coisas, e sempre escolher com consciência, prevendo no que possivelmente suas escolhas vão resultar. PERMITA-SE FICAR EM PAZ Pode ser que você seja uma pessoa ativa e pense que ficar em paz significa ficar entediado, mas é bem o contrario. Sentir paz é estar com uma sensação de que tudo está perfeito do jeito que está, é sentir seu corpo funcionando perfeitamente e sentir-se grato por aquele momento. DESCANSE É preciso equilibrar momentos de muito trabalho ou diversão, com momentos de descanso. Nosso corpo precisa desses momentos, nossa mente precisa descansar, desacelerar e relaxar. TENHA TEMPO PARA SI MESMO É muito legal ter boas companhias, mas a solidão é extremamente necessária em alguns momentos. Na dúvida, equilibre momentos com pessoas e momentos sozinho. Ficar sozinho em silencio, sem fazer nada, apenas ouvindo seus pensamentos, e planejando o que você, apenas você, quer fazer. E fazer as coisas que você deseja sem esperar uma companhia. SAIBA FAZER ESCOLHAS Você é daquelas pessoas que respondem: “escolhe você” quando alguém te pergunta: “onde nós vamos comer?” então você precisa escolher mais. Sair da passividade e submissão e colocar suas opiniões e vontades sobre a mesa. SEJA CURIOSO Seja curioso como uma criança e prudente como um sábio. Perdemos muitas oportunidades na vida quando deixamos de ser curiosos e deixamos de aprender coisas novas. PRESTE ATENÇÃO Seja uma pessoa atenta, viva mais no momento presente do que no futuro, ou no passado. Dê atenção para as pessoas, se interesse por elas ou então vá embora. Não fique apenas de corpo presente. TENHA PACIÊNCIA E CALMA Eu sei que é fácil falar, mas desenvolver a paciência é possível e não é tão difícil assim. Ser uma pessoa mais paciente envolve estar atento e consciente ao que te acontece, pensar no motivo pelo qual tal situação está acontecendo, saber que tudo tem seu tempo e que não controlamos quase nada. TENHA PRIORIDADES Isso é uma coisa que conseguimos controlar, nossas prioridades. É bom sermos fieis as nossas prioridades, mas para isso precisamos conhecê-las.  Imprevistos acontecem, mas quando você tem prioridades sua vida anda em um ritmo bacana e você consegue realizar várias coisas que tem vontade. As pessoas passam a te respeitar mais e também a te admirar. SEJA CONSCIENTE  Ter consciência é a coisa mais importante que uma pessoa pode fazer na vida. Consciência sobre tudo o que você faz! Consciência financeira - saiba por que você gasta dinheiro com o que gasta. Consciência emocional - saiba por que você se relaciona com essas pessoas, porque você namora essa pessoa.  Consciência de tempo – porque você gasta seu

  • Apesar de cada pessoa ser única, agimos de formas bem parecidas. O medo é um dos sentimentos mais básicos e o que nos torna humanos. Ao sentir medo, afirmamos que não temos poder nem controle sobre as coisas, e isso assusta qualquer um. As pessoas tendem a ter medo das mesmas coisas e existem quatro medos básicos que são a base para todos os outros medos. E provavelmente você sente ou já sentiu medo deles. Medo da perda: Esse medo está ligado ao nosso ego, se temos medo de perder é porque acreditamos possuir algo ou alguém. É um medo ligado ao “ter”, ao material. É quando não temos nada de importante dentro de nós, como autoconhecimento, autoestima, sabedoria... Quando tudo o que possuímos de mais valioso está fora em forma de objeto. A posse é uma ilusão, pois a qualquer momento podemos morrer e nada do que acreditamos ser nosso poderá ser levado. Até nosso corpo é nosso enquanto habitarmos esse planeta e então deixaremos ele aqui também. Medo da rejeição ou do abandono: Este é um medo que aflige quase todas as pessoas, para não dizer todas. Posso arriscar dizer que em diferentes níveis, todo mundo sofre desse medo. Você sabia que o maior medo que as pessoas sentem, depois da morte, é o medo de falar em público? Pensando racionalmente, falar em público geralmente não apresenta nenhum perigo, então o que justificaria esse medo ser tão grande quanto o da morte é porque a maioria das pessoas não suporta ser julgada e rejeitada, e o único perigo ao falar em público é este, não agradar a platéia e ser julgado de forma negativa. Este medo também explica a motivação de algumas pessoas se submeterem a relacionamentos abusivos. Quando o medo de ser rejeitado e de ficar sozinho for maior do que o de sofrer violência verbal ou física, então a pessoa aceita um relacionamento destrutivo. Também é esse medo que é uma das causas do fracasso profissional. Muitas vezes a pessoa tem ideias boas, mas não acredita no seu potencial e permanece na zona de conforto, não tentando algo diferente para não se expor. Somos seres sociais, precisamos conviver com outras pessoas, por mais difícil que isso seja. E quando somos rejeitados pela sociedade, julgados negativamente, é tão grave que tornou-se a maior causa de suicídios. Medo de enfrentar algo Desconhecido Este é o medo mais comercial, muito explorado pelas histórias de terror. Enfrentar o que não conhecemos e que pode ser perigoso dá muito medo. Andar sozinho durante a noite em uma floresta, pode ser perigoso ou pode não acontecer nada, mas nossa mente irá criar infinitas histórias de tudo de ruim que pode nos acontecer. Passar a noite sozinho em uma casa desconhecida, a cada barulho teremos milhares de pensamentos ruins. O pânico está mais ligado ao nossos pensamentos do que ao perigo real. O medo do escuro, medo de ir até um lugar desconhecido, medo de fantasmas. Todos eles estão ligados ao enfrentar o

  • Sabe aquelas pessoas que complicam tudo, invertem as coisas e sempre acham um motivo para discordar? Pois é, elas estão por aí e às vezes precisamos conviver com elas. Saiba que é possível chegar a um acordo até com as pessoas mais difíceis, mesmo quando os pontos de vista são totalmente diferentes, os interesses são incompatíveis e a conversa parece não fluir. Antes de conversar com uma pessoa difícil, prepare-se e conheça a si mesmo. Fique em uma posição estável e confortável. Lembre-se de que seu corpo inteiro conversa. Comporte-se como um adulto equilibrado e seguro: fale apenas o que for importante para você e do que você tem certeza, para ter todos os argumentos que precisar. Mantenha um tom de voz baixo, seguro e constante. Nada pior do que demonstrar descontrole emocional. Não esqueça o motivo de estar nessa situação: por que está conversando com essa pessoa? Não fale mais do que o necessário, não precisa ser legal, e sim educado. Muitas vezes precisamos fazer coisas socialmente esperadas e assim conversar amigavelmente com alguém de que não gostamos. Saiba que sempre há uma chance de que você seja provocado, manipulado ou de entrar em uma polêmica sem perceber. Por isso esteja atento a tudo. Se você precisar confrontar alguém e achar que pode dar em briga, pense que você está começando esse diálogo para resolver uma questão, para melhorar a relação, para manter contato saudável com essa pessoa, e não para discutir e brigar. Um diálogo não é uma batalha verbal, é uma ferramenta para sincronizar diferentes pontos de vista. Ouça o que o outro pensa e tente entender o que o faz pensar assim. Até as piores pessoas têm um motivo para agir da forma como agem, e elas sempre acham que é um bom motivo. Fale tudo o que precisa demonstrando que é o seu ponto de vista, e não uma acusação. Fale de como você se sente em relação ao fato e não acuse somente. Não vamos agradar a todos. Algumas pessoas não vão acreditar em nós, não vão nos amar nem nos compreender e podem até nos odiar de graça. Avalie se vale a pena querer alguma coisa com essa pessoa, pois muitas vezes é melhor que nos odeie e nos deixe em paz. Mas, se essa pessoa vale a pena, descubra os motivos de a pessoa não acreditar ou gostar de você, busque a raiz do problema, se coloque de forma humilde, não demonstrando ameaça para que a pessoa não precise se defender. Peça desculpas por alguma coisa que possa ter magoado a pessoa, exponha seus argumentos, abra seu coração sem medo. Se mesmo assim essa pessoa não quiser você na vida dela, aceite e siga sua vida. Todo mundo erra, tem defeitos e se confunde de vez em quando, mas todos merecem respeito. Você não pode agir conforme o comportamento dos outros, já que suas ações devem depender dos seus valores e do seu caráter. Vai chegar um dia em que você também agirá de forma errada. Cada um tem um dicionário próprio de acordo com as próprias

  • É sempre bom lembrar, que nessa vida não existe o certo e o errado, existem as consequências das coisas que fazemos. Por isso julgamos que é errado fazer coisas que possivelmente terão consequências dolorosas, e certas aquilo que tende a nos fazer bem. Mas em meio ao que é certo e errado, às vezes acreditamos em crenças familiares ou sociais e passamos a viver preso a regras ou no piloto automático e nem mesmo sabemos o porquê, não refletimos para perceber se nos faz bem ou nos faz mal e apenas sofremos as consequências dessas escolhas. Nós selecionamos algumas perguntas para te fazer refletir sobre seus atos e te libertar de algumas crenças que não ajudam em nada... ENTÃO PERGUNTE-SE: Se a felicidade fosse dinheiro, o que te faria milionário? Se a vida de todos durasse apenas 40 anos, o que você faria de diferente? Se acontecer um acidente e você precisasse ligar para alguém ir te buscar de carro, quem estaria dirigindo esse carro? O que você faz que te torna único? O que faz de diferente das outras pessoas? O que te impede de fazer aquilo que você sempre pensa em fazer, mas ainda não fez? Em uma palavra, qual característica dos seus pais você mudaria? Você apresenta essa característica em algum momento? A pessoa por quem você está apaixonado ou em um relacionamento, seria digna de namorar a pessoa que você mais ama? O que, na sua vida, te faz se sentir agradecido? Os seus medos se transformaram em realidade? Hoje você vive ou tem alguma coisa que sonhou no passado? O que te fez sofrer há 5 anos te faz sofrer hoje ainda? Qual profissão queria ter quando era criança? Você faz algo parecido hoje, nem que seja de hobbie? Se você ainda não alcançou o que quer, o que falta fazer? Se você ganhasse 1 milhão de reais, depois de viajar e comprar várias coisas, no que você trabalharia? Com o que ocuparia seus dias? Você está vivendo ou existindo?

  • 1- PASSE SEU TEMPO COM PESSOAS CERTAS Na nossa jornada, encontraremos todos os tipos de pessoas, então chega um momento na vida que precisamos parar de agir por educação e começar a agir por consciência. Para o nosso bem, devemos buscar conviver com as pessoas certas, que são aquelas verdadeiras, que te inspiram e incentivam a ser alguém melhor, que são sábias e sempre falam coisas construtivas. Pessoas divertidas, com um humor leve. Nós somos a união das cinco pessoas com que mais convivemos e inconscientemente passamos a agir como elas. Por isso, quanto mais convivemos com as pessoas certas, melhores nos tornamos. 2- ENFRENTE SEUS PROBLEMAS Você é definido pelos seus problemas? Como você reage, resolve e se recupera dos problemas é o que te define. Temos e teremos problemas na vida toda, então, quanto antes começarmos a ter o hábito de enfrentar e resolver, menos motivos teremos para reclamar e, assim, estaremos  preparados para os próximos problemas que virão. 3- SEJA MAIS HONESTO COM VOCÊ MESMO Podemos enganar todo mundo, mas não a nós mesmos. Disfarçamos, inventamos desculpas, mas a verdade sempre vem cobrar a conta. Além disso, quando não somos honestos, temos a constante sensação de que tem alguma coisa de errado, uma leve intuição apontando algo estranho. Seja honesto sobre o que está bem, sobre o que precisa ser mudado, sobre o que você quer alcançar, quem você quer se tornar, quem você quer por perto. Seja honesto em todas as áreas da sua vida, sempre, porque você é a única pessoa que vai se beneficiar ou se prejudicar pelas suas decisões. Nós sempre sabemos qual é a verdade da nossa alma, o que nos faz bem e o que não faz. Então escute mais suas verdades e viva com congruência. 4- SEJA VOCÊ A PRIORIDADE DA SUA VIDA Isso não é egoísmo, é amor próprio. Cada um é responsável pela própria vida, não devemos colocar sobre os outros as expectativas da nossa vida nem aceitar as expectativas dos outros sobre a gente. Podemos ajudar a quem precisa desde que a própria pessoa esteja também fazendo por ela, o que na maioria das vezes não acontece. Não se sabote colocando alguém em primeiro lugar por que você não quer olhar para a sua vida. Se valorize. Quando nossas necessidades são atendidas, nos tornamos mais capazes de cuidar dos outros, pois assim estamos completos e transbordando. Não podemos doar o que nos falta. 5- VIVA NO PRESENTE O agora é a única coisa real que temos. O passado não pode ser mudado e o futuro pode não chegar. O agora é a vida! Quando você estiver triste pelo passado ou com medo do futuro, respire, apenas respire e preste atenção no que está acontecendo agora. Tenha certeza de que tudo estará certo, desde que você tenha o hábito de ser honesto com você mesmo. A vida nos apresenta infinitas possibilidades todos os dias, comece a perceber isso.

  • O fim de um amor não é fácil para ninguém. Terminar o relacionamento pode ser uma das coisas mais dolorosas que vamos passar na vida, e não só uma vez. Todos nós podemos nos apaixonar ou perder um grande amor a qualquer momento. Relacionamentos duram anos, meses, dias, não importa o tempo e sim a intensidade, de qualquer forma, sempre é difícil aceitar a ruptura e continuar. Por isso, se você está vivendo esse drama, nós sabemos o que você está sentindo e vamos te ajudar. Tenha certeza de que toda essa dor vai passar em menos de um ano. Mesmo que você esteja sofrendo muito, com dor até pra respirar, fique tranquilo que essa sensação vai passar. O mundo pode parecer um lugar ruim, as pessoas podem parecer más, a sensação é de que jamais será feliz com alguém, mas calma, isso não é verdade. Você vai superar isso. Você tem todo o direito de chorar, reclamar, comer porcaria assistindo a uma comédia romântica, mas chega uma hora em que o drama deve ir embora. Quando você se sentir um pouco melhor, abra-se para conhecer novas pessoas. Cuide de você Ninguém tem o direito de abalar sua autoestima, e isso pode ser mais perigoso do que você imagina. Você pode até não se sentir bom o suficiente quando leva um fora, pode sentir que perdeu o controle e que ninguém te ama, mas isso tudo faz parte de uma fantasia criada por você mesmo. Quando levamos um pé na bunda, é normal procurar o erro em nós, porque daí resolvemos e tudo volta a ficar bem, mas na maioria das vezes o problema está com a outra pessoa ou com o momento de vida e maturidade de ambos. Se você não se sente digno de um amor, faça alguma coisa para sentir, pois um dos pilares do amor é a admiração. Torne-se uma pessoa admirável. Foco no futuro Eu sei que é difícil, mas quando um relacionamento acaba, o melhor que podemos fazer é olhar para frente. Não queira saber o que o ex está fazendo, isso só trará um sofrimento desnecessário. Também não fique relembrando de todas as palavras que ele disse quando terminou para tentar descobrir o que deu errado no seu relacionamento. Já acabou, o melhor a fazer agora é aceitar. Nem todo mundo será bom para você e você também partirá alguns corações ao longo da vida. A pessoa certa vai aparecer no momento certo Mas que momento certo é esse? Será quando você estiver inteira, sendo uma pessoa admirável que motivará outras pessoas a serem como você é. Nos apaixonamos por quem admiramos. E aceitamos o amor que achamos que merecemos, então, se você só está atraindo pessoas erradas, olhe para sua autoestima e comece a se tornar alguém melhor. Logo você estará apaixonada novamente e achará graça de tanto sofrimento do passado. Tudo o que acontece é o melhor que poderia acontecer É bem melhor estar sozinha do que com alguém que não

  • Todos nós fomos criança e nos achávamos o máximo, até que alguém nos disse que não éramos bons o suficiente e então começamos a nos questionar sobre isso. Nos tornamos inseguros e cheios de pensamentos de inferioridade. Crescemos e vamos reagindo ao que nos acontece sem muitos questionamentos de porque nos sentimos assim. A nossa criança interior, ou seja, a criança que fomos um dia permanece dentro de todos nós. Essa criança pode estar saudável ou ferida, depende de como elaboramos a infância. Por isso, é muito importante pensar nesse assunto e cuidar da nossa criança interior para que possamos ter um saudável desenvolvimento emocional e autoestima adequada. Muita gente sofreu na infância e isso formou feridas emocionais que foram abafadas e não solucionadas, e isso mantêm essa criança interior machucada até hoje. Sabendo disso, é possível entrar nesse assunto para compreender o que aconteceu curar esse passado. Nossas reações negativas de hoje muito tem a ver com o que vivemos e elaboramos na infância com nossa maturidade da época. Uma criança não sabe lidar com a rejeição sem levar para o lado pessoal e se sentir inadequada, por isso se sentirá mal e se fechará. Já um adulto consegue pensar racionalmente na situação e não perderá a autoestima só por que recebeu uma critica. Já as pessoas que têm a criança interior ferida lidarão com a rejeição de uma forma infantil, como lidaram na infância, e possivelmente não aceitarão criticas de uma forma racional, levarão para o lado emocional e terão uma reação inadequada, não conseguindo ter uma postura madura de quem recebe uma critica e vê a possibilidade de melhorar. Existem exercícios que te ajudam a curar a sua criança interior. 1- Primeiro precisamos saber como ela está, faça uma meditação ou simplesmente sente-se em um ambiente calmo onde não será incomodado. Feche seus olhos e respire profundamente algumas vezes. Lembre-se da sua infância, tente recordar da sua primeira lembrança, o mais criança possível, depois veja o passar dos anos, deixe sua mente livre para trazer lembranças aleatórias. Lembre-se do seu quarto, de todos os móveis, agora pense em você adulto entrando naquele quarto e encontrando você criança. Como seria essa conversa? Qual a sensação? Você adulto hoje pode cuidar de você criança, explicar ocorridos e sentimentos. Esse exercício é terapêutico e tem ótimos resultados. Quanto mais tempo você passar nessa meditação e quanto mais vezes repetir, mais verá resultados na sua vida atual. 2- Faça perguntas para essa criança, do que ela gosta, do que não gosta e veja se você vive de acordo com as vontades dessa criança. Você criança se orgulharia de você adulto? 3- Lembre-se do que você gostava de brincar, como você passava se tempo. Na sua infância pode ter a resposta de o que você poderia trabalhar que se daria bem. 4- Não tenha vergonha de brincar, pular ou dançar. As crianças são livres e deveríamos ser também, isso é saudável, não se reprima. Tenho certeza de que se alguém te vir

Receba GRATUITAMENTE a minha Newsletter para te inspirar a ter uma vida consciente!

Junte-se a várias pessoas para receber dicas exclusivas direto da Luiza